Roma e Cristianismo


O mundo cristão nasceu dentro do Império Romano. E "a ascensão do cristianismo (...) significou o fim do mundo antigo" (E. H. Gombrich).

Mais precisamente em 311 d.C., o Imperador Constantino instituiu o cristianismo como religião oficial do Estado romano. Na mesma época, houve a bifurcação do Império entre Ocidente e Oriente.

A arte no cristianismo do Império Romano do Oriente tinha certa sofisticação, pois agregava motivos clássicos e orientais. Era uma arte feita para o público e sustentada pelo Estado. Inicialmente, como o uso de esculturas estava ainda muito associado à religião politeísta do antigo Império, a saída usada pelos artistas para representar cenas bíblicas dentro dos templo foi usar a técnica dos mosaicos e dos ícones. Na Arte Bizantina, Cristo podia ser representado sem sofrimento, austero e ostentativo. Usava-se muito o dourado como fundo, para representar o sagrado.

Por outro lado, o cristianismo ocidental fez uso de estátuas em seus templos, mas apenas de maneira frontal e dependente da arquitetura. E ao longo da Idade Média também adotou-se a arte dos vitrais e das iluminuras.